Esse eu vi: Felicidade por um fio

Olá pessoal,

Hoje vou dividir com vocês minha opinião sobre o filme "Felicidade por um filme" um original da Netflix, dirigido por Haifaa Al Mansour.

Eu gostaria muito de trazer mais resenhas sobre filmes, mas só conseguiria se fossem clássicos ou originais da Netflix, já que eu não sou muito de ir em cinema, a ultima vez foi em 2013. E mesmo com a possibilidade de ver em casa eu ainda demoro, só agora estou vendo os filmes da Marvel e o último que vi foi Capitão América : Guerra civil. 

Vamos ao filme.

Sinopse.: Violet Jones (Sanaa Lathan) é uma publicitária bem-sucedida que considera sua vida perfeita, tendo um ótimo namorado e uma rotina organizada meticulosamente para conseguir estar sempre impecável. Após uma enorme desilusão, ela resolve repaginar o visual e o caminho de aceitação de seu cabelo está intrinsecamente ligado à sua reformulação como mulher, superando traumas que vêm desde a infância e pela primeira vez se colocando acima da opinião alheia.



Antes de começar a ver eu já pensava: " Vou fazer uma resenha para o blog." Mas enquanto eu via, eram tantos os sentimentos que eu não sabia como expressar em palavras. 

O filme começa com uma Violet criança, sendo podada pela mãe em sua liberdade e pouco influenciada em sua aceitação. Então vemos a Violet agora adulta , com uma vida perfeita, um namorado perfeito, um emprego perfeito. E onde sua mãe ainda tem muita influência sobre ela. Porém, sua vida começa a sair do seu controle , quando o namoro começa a desandar, ela tem um acidente capilar e as coisas não vão bem em seu emprego. É ai que ela vai ter que aprender a se conhecer. 

Pode ser que eu seja bem clichê na analise do filme, eu só li uma resenha antes de escrever essa para não me influenciar. Mas, é obvio, é muito mais do que cabelo. É aceitação, é auto conhecimento, é tomar posse do poder que ela tem. É sair das amarras de uma criação restritiva, e Deus, como isso é difícil. 

Violet vai aprendendo que a vida não tem controle e uma pessoa que a ajuda a enxergar isso é a pequena Zoe (Daria Johns), ok, parte é por que ela causou o acidente capilar, mas também  pela convivência com ela e seu pai Will (Lyriq Bent). 




E autoconhecimento e a auto estima que vem desse auto conhecimento não quer dizer que vai ser mais fácil , mas nos liberta. 

É decidir : " Como eu gosto do meu cabelo?"  , " O que eu espero desse relacionamento?", " O que eu espero de mim?"  "Até onde posso ir? " . 




É se superar, é se conformar, é ser feliz.

Recomendo esse filme para todos os gêneros, pois acredito que seja um filme muito reflexivo para qualquer pessoa, só não ficarem preso a superfície, mas acho que o filme também não te permite isso. 

Espero que tenham gostado dessa curta e louca resenha.

Até logo!