28 de out de 2013

I have a dream



Todos nós temos um sonho.Alguns são simples,outros mais difíceis,mas acredito que todos temos um sonho.



Quando criança somos mais sonhadores, queremos ser astronautas,cientistas,bailarinas, e nessa fase sempre se acredita que conseguiremos realizá-los.
Conforme se amadurece e vem a fase adulta ,parece que se esquece o sonho que se teve.As necessidades da vida e de se manter faz com que outros caminhos surjam e o sonho fica esquecido.

Semana passada eu li o livro Simplesmente Dan, da Isie Fernandes do Blog de Daí para
Isie . Me empolguei não apenas com o fato da história ser muito boa, mas com a conquista dela de conseguir publicar seu livro. 

E relembrei meu sonho, desde criança eu queria ser escritora, lembro de pedir a minha mãe para comprar um caderno simples para mim e aos 8 anos eu ficava inventando historias e isso foi indo até os meus 14 anos e de repente eu parei, lembro que um pouco mais velha meu pai viu um concurso em um jornal e me incentivou a escrever, eu até escrevi, mas não enviei.

Vendo a Isie realizando seu sonho, me dei conta que tinha deixado o meu totalmente de lado .
E eu que vivia reclamando pelos cantos que não tinha nenhum projeto próprio, na verdade tinha um sonho guardado e não lembrava.

Não vejo a realização de um sonho seja um ponto final, mas sim ,quando concretizamos um sonho abrimos espaço para outros.
E nunca é tarde para começar a ir atrás dele, independente de qual seja. No fim é certo que estaremos realizados.

Já falei varias vezes, mas aqui deixo os meus parabéns para a Isie Fernandes e para quem ainda não conhece o Livro Simplesmente Dan, pode passar a conhecer  AQUI super indico!

Até logo!

23 de out de 2013

Inspiração, cadê você minha filha?

Hoje entrei no meu blog crente que ainda iria fazer uma semana que não postava nada até que vi que não postava nada há uma semana e três dias.

Não que pessoas morram por eu não ter postado nada nesse tempo, não que já ganhe dinheiro com meu blog, mas sinto que estou negligenciando o meu blog quando fico muito tempo sem postar nada.

Fui buscar inspiração para um tema , corri até o google e joguei a data de hoje para ver o que estávamos comemorando,até que o Wikipédia responde: 

"23 de outubro (AO 1945: 23 de Outubro) é o 296.º dia do ano no calendário gregoriano (297.º em anos bissextos). Faltam 69 para acabar o ano."

É mesmo?Então tá.

Fui ver algumas anotações que eu tinha feito, sempre que bate uma ideia sobre um post eu anoto, mas não estava inspirada para desenvolver um texto em cima daquela inspiração.

Deve ser assim com todo mundo ,não é? Acho que já até falei sobre falta de inspiração aqui.

Fico por aqui...

Até logo! ( com um texto decente.^^)

12 de out de 2013

Vida de moleque

Dia das crianças e comecei a lembrar da minha infância,que não foi perfeita, mas foi muito boa. Mas depois comecei a comparar a minha infância com a infância de hoje.

Tem um tempinho que não sou criança, e a mudança na educação dos pais e no comportamento das crianças comparado ao meu tempo é bem diferente.Lógico que algumas mantem os antigos ensinamentos,porem muitos mudaram,alguns para melhor e outros para pior.

Vejo mães que não podem ver nada de diferente que já vão comprando para o filho,as vezes o filho não tem nem idade para pedir e já estão crescendo sem  ter chance de sonhar com algo.

Vejo outras mães que se aprofundam em livros para melhor educar seus filhos e melhor estimula-los.

Quem esta certo e quem esta errado? Não sei, não é justo eu julgar.


Fico pensando como serão meus filhos, de acabar cometendo os mesmos erros que vejo por ai ou perceber que não importe o quanto eu me dedique meu filho não terá jeito.

No meu tempo(essa frase é um sinal de envelhecimento) as coisas eram mais rigidas, as vezes até demais,entretanto foi bom, sei que isso me ajudou a lidar com coisas difíceis da minha vida.

Sou da época que via Ratibum e estimulada pela Bia Bedran pegava um sapato e fingia que era um carro, por que na época não tinha como os pais comprarem um carrinho de brinquedo. Parece historia triste ,mas não é, pois eu olho para trás e lembro com tanta saudade de uma fase que era tão simples ser satisfeita.

As crianças de hoje tem coisas que muitos de nós não tivemos e isso pode ser bom ou ruim,conforme é aproveitado.

Mas o melhor é ver crianças sendo crianças e que certas coisas não mudam.Crianças são sempre simples.

Feliz Dia das Crianças!

Até logo!^^

3 de out de 2013

A culpa é das estrelas



Sinopse - A Culpa é das Estrelas - John Green
Mais informações em: http://aculpaedasestrelas.com

A culpa é das estrelas narra o romance de dois adolescentes que se conhecem (e se apaixonam) em um Grupo de Apoio para Crianças com Câncer: Hazel, uma jovem de dezesseis anos que sobrevive graças a uma droga revolucionária que detém a metástase em seus pulmões, e Augustus Waters, de dezessete, ex-jogador de basquete que perdeu a perna para o osteosarcoma. Como Hazel, Gus é inteligente, tem ótimo senso de humor e gosta de brincar com os clichês do mundo do câncer - a principal arma dos dois para enfrentar a doença que lentamente drena a vida das pessoas.

Inspirador, corajoso, irreverente e brutal, A culpa é das estrelas é a obra mais ambiciosa e emocionante de John Green, sobre a alegria e a tragédia que é viver e amar. Mais informações em: http://aculpaedasestrelas.com

(fonte:Skoob)

Não lembro em qual Blog literário eu vi a resenha deste livro, mas no mesmo momento coloquei na minha lista do Skoob , comprei a pouco tempo e me apaixonei inteiramente.

Você ri, você chora, tudo o que diz na capa é verdade. É um romance adolescente, mas a gente se identifica com cada situação , eu julguei, eu me recriminei por ter julgado. Deu vontade de entrar no livro e dar conselhos, acho que tudo o que a gente quer fazer quando tem alguém que gostamos com problemas é o que queremos fazer lendo esse livro.

O Gus é apaixonante de cara a gente vê o que a Hazel vê nele,ele tem umas tiradas que faz a gente ficar com um sorrisinho quando acaba de ler.

A Hazel apesar de sua intelectualidade você vai vendo que ela tem um lado menina, um lado mais ingênuo, mas o que mais me deixou tocada em relação a ela foi o lado protetor.

Ainda bem que a parte que me emocionou eu estava em casa, chorei muito,lavei a alma.

É incrível o que esse livro faz conosco.No fim você fica querendo mais, você se torna a  Hazel,bom, foi assim comigo.^^

Super recomendo esse livro!

Até logo!^^
Lingua Feminina © 2014. Todos os direitos reservados.
Layout criado por: Thami Sgalbiero.
Tecnologia do Blogger.