21 de fev de 2018

Esse eu li : Cartas de amor aos mortos

Olá pessoal,

Antes de tudo eu vou logo falando que não chamarei mais meus posts onde falo de algum livro que li de resenha (só nos marcadores. rs) ,pois acho que ainda tenho que comer muito arroz com feijão para fazer uma resenha bem feita e não correr o risco até de sair do formato. Agora as resenhas são "Esse eu li" .

Vamos começar...

Sinopse: Tudo começa com uma tarefa para a escola: escrever uma carta para alguém que já morreu. Logo o caderno de Laurel está repleto de mensagens para Kurt Cobain, Janis Joplin, Amy Winehouse, Heath Ledger, Judy Garland, Elizabeth Bishop… apesar de ela jamais entregá-las à professora. Nessas cartas, ela analisa a história de cada uma dessas personalidades e tenta desvendar os mistérios que envolvem suas mortes. Ao mesmo tempo, conta sobre sua própria vida, como as amizades no novo colégio e seu primeiro amor: um garoto misterioso chamado Sky.
Mas Laurel não pode escapar de seu passado. Só quando ela escrever a verdade sobre o que se passou com ela e com a irmã é que poderá aceitar o que aconteceu e perdoar May e a si mesma. E só quando enxergar a irmã como realmente era — encantadora e incrível, mas imperfeita como qualquer um — é que poderá seguir em frente e descobrir seu próprio caminho. 


 As vezes a maior dificuldade é se perdoar...


Laurel é uma adolescente que passou por fases significantes em sua vida, primeiro a separação dos pais, depois a perda da irmã, que era sua referência e por fim a partida da sua mãe para superar o luto. Em uma fase em que estamos nos conhecendo e passando a entender nosso lugar no mundo Laurel se vê sem referência alguma, em uma escola nova, que decidiu ir para não ser confrontada sobre sua dor, sem conhecer ninguém e revezando as semanas entre a casa da tia e a do pai, entre a religiosidade e o silêncio.

Nesse caminho ela começa a fazer novas amizades, ter novas experiências, se conhecer e refletir sobre seus maiores medos.

"Talvez amadurecer significa que você não precisa ser uma personagem seguindo um roteiro. É saber que você pode ser a autora.”

Adorei o formato do livro ser em cartas,formam capítulos dinâmicos,as conversas com os ídolos que haviam morrido, como comparava situações de sua vida com as dela.

O que mais me marcou foi como mostrou o perigo de nos fecharmos em nós, tentar transparecer sempre feliz e esconder nosso sentimento. Vira uma bomba relógio. O tempo todo eu queria entrar no livro e abraçar a Laurel, por sofrer tanto por coisas que não eram sua culpa, lamentei por ninguém ter alcançado o vazio da May. E fiquei pensando se não havia alguém assim perto de mim para que eu pudesse ajudar. Como é importante falar.

"Às vezes agimos porque estamos sentindo tantas coisas dentro de nós e não percebemos como isso afeta os outros.”

Por fim, foi um livro maravilhoso que devorei em uma semana, o que para meus padrões foi rápido.rs
Melhor presente de amigo oculto ever.

Até logo! ^^



31 de jan de 2018

Resenha: O conde de Monte Cristo

Olá pessoal!

Hoje venho trazer para você uma resenha de um livro que achei maravilhoso. Eu tenho um amor chamado clássicos e esse roubou meu coração.

                                                                                     




Sinopse.:

O Conde de Monte Cristo (1844) é um clássico do gênero. Trata da transformação do jovem e destemido imediato de navio Edmund Dantès - encarcerado injustamente por 13 anos na ilha-prisão do Castelo de If por um conluio dos que lhe invejavam a sorte - no implacável Conde de Monte Cristo. É uma impressionante história de sofrimento, vingança e amor.

O romance constrói um suspense atrás do outro, numa sequência de peripécias de tirar o fôlego - traições, denúncias anônimas, tesouros fabulosos, envenenamentos e vinganças.
"Alexandre Dumas diverte como uma lanterna mágica. ... O amor conserva a decência, o fanatismo é alegre, os massacres fazem sorrir."
Gustave Flaubert


Pelo amor, pela inveja, pela reputação.


O jovem imediato de navio Edmund Dantès se vê envolvido em um complô aonde estavam envolvidos Fernand Mondego , movido pela paixão cega devotada pela noiva de Edmund,a Mercedes e  Danglars, que desejava o cargo  que o jovem ocuparia,porem muito mais movido pela inveja por ver um jovem tão bem visto a frente de seu superior.

Tudo poderia ser resolvido por Gérard de Villefort , substituto do procurador de Marselha, mas ao perceber que seu pai Noirtier de Villefort estava envolvido em uma tentativa de fazer o antigo Imperador Bonaparte retomar o poder. Villefort não poderia correr o risco de ter sua carreira manchada por seu pai. Edmund infelizmente havia realmente entregado uma carta do  Marechal Henri Gatien Bertrand, mas desconhecia seu conteúdo.Porem, foi o suficiente para ser abandonado na Fortaleza de If. 

Treze anos, e Edmund foi do desejo de morrer ao desejo de vingança,tendo como ajuda a voltar a lucidez um sábio tomado como louco , o Abade Faria. Após a morte do amigo, Edmund consegue fugir e começa a colocar em prática o seu plano de vingança. 

Eu fiquei apaixonada por esse livro, leria novamente com certeza , para perceber detalhes que talvez passou despercebido. Começando pelo contesto histórico, é uma aula , ver retratado o período Bonapartista. Há também o levantamento de questões políticas, mesmo o livro sendo de 1844, qualquer semelhança com a atualidade não é mera coincidência, incrível como certas coisas não mudam. É como dizem, para entender o nosso presente, temos que olhar para nosso passado. 

É impressionante também como o personagem Edmund foi construido, sua mudança durante todo livro, senti como se eu fosse o personagem, como se eu sentisse tudo o que ele sentia, tal era a riqueza de detalhes das suas expressões, dos seus sentimentos e pensamentos. E por mais que haja o Edmund movido pela dureza dos acontecimentos, percebemos sempre , lá no fundo o jovem Edmund.

O desenrolar do plano de vingança é muito bem feito e muito rico, não há lacunas, não há pontas soltas, não há "encheção de linguiça". Terminei o livro satisfeita, com minhas considerações, mas com todas as respostas.
Super recomendo a leitura. Espero que tenham gostado da resenha. Deixem seu comentário. :)

Até logo! ^^

12 de jan de 2018

Vida literária 2017

Olá pessoal!

Enfim de volta depois de dois meses!!! Se eu tivesse um canal do Youtube provavelmente essa seria minha chamada,pois ô pessoa para sumir. Mas, vamos ao que interessa.

É muito comum no começo do ano as retrospectivas ou resoluções , então pensei : Eu poderia fazer uma retrospectiva literária de 2017. 

Apesar de ter sido um ano que eu estava reiniciando meu ritmo de leitura, foi um ano bem legal em relação a isso. Ganhei alguns livros , o que amo, e cada um tem seu motivo especial.


Nesse ano só comprei um livro, que foi "O Conde de Monte Cristo - Volume 2 " , meu irmão mais novo havia me dado o Volume 1 , sem saber que não era completo e não achei legal pedir outro a ele. :) 

No meu aniversário eu ganhei do meu irmão do meio o "Miga, sua louca!" da Julianna Costa em parceria com a Luiza Costa do Pergunte a uma Mulher. Eu , muito cara de pau, fiz uma listinha de presentes e postei no face marcando apenas meus irmãos e meu pai, e deu certo. Sei que eles tem uma mega dificuldade de escolher presente, principalmente meu pai ,então os ajudei, me ajudando. rs. 

Minha cunhada é uma pessoa que curte ler, mas que não curte acumular, então ela costuma me emprestar os livros dela e esse emprestado vira dado. Os mais novos desapegos são o "Amigas para sempre" que tem resenha AQUI e o "Quando você voltar." ambos da Kristin Hannah. 


Lembram da Luiza Costa do blog Pergunte a uma mulher ? Claro que lembram, acabei de falar nela. Além de escritora, ela é consultora, dá conselhos sobre a vida, tem também um Canal do Youtube, página no Face e no Instagran e foi o Insta dela que me proporcionou ganhar esse livro , "O livro delas" ,pois lá tem uma promoção de engajados e fui uma das mais engajadas que ganhou esse livro com direito a dedicatória. :)

Esse em relação a história de como ganhei é um dos mais interessantes. "Anjos e Demônios " foi abandonado em uma rua perto da casa de uma amiga minha, ela ficou até um pouco sem graça de pegar no primeiro momento, porem depois de passar pela segunda vez e ainda estar lá ela pegou e como sabe que gosto muito de livros mandou para mim, em ótimo estado ! Adorei! 

E por ultimo, mas não menos importante tem o " Cartas de amor aos mortos" da Ava Dellaira. Esse ano participei do amigo secreto literário que o Viciadas em livros organizou . Eu que sempre fui traumatizada com amigo oculto logo me joguei, pois não tinha como não gostar se o presente era livro. rs. Quem me tirou foi a Vanessa do blog Diario de incentivo a leitura
Além de ser o amigo secreto com o melhor presente de todos , foi uma ótima oportunidade para conhecer blogs maravilhosos. 


E esse foi meu ano literário 2017 ! Espero que tenham gostado e que eu volte logo com mais post para vocês. 

P.s: Desculpa a qualidade das fotos, prometo melhorar. 

Ate logo!!! ^^


14 de nov de 2017

Como estou aprendendo inglês?

Olá pessoal!

Uma coisa que é muito comum ver hoje em dia é alguém querendo aprender outra língua, seja para agregar ao currículo, por realização pessoal, etc. 

E nesse mundão de meu Deus há muitas formas de fazer isso, seja frequentando curso, seja vendo serie, seja viajando.

Eu não sou fluente em língua estrangeira, bem pelo contrário, mas vou dividir minha experiência. 

Quando eu entrei na adolescência, eu já amava a língua inglesa, decidi aprender. E consegui convencer meu pai a me matricular em um curso. Na época eu fiz o Fisk , fiz o básico e parei. Fiquei desestimulada,confesso que me arrependi de ter parado,mas fico difícil convence-lo de novo. O curso era muito bom, era leve e o que ajudava era ter muito dialogo em inglês.Conclui o básico e com isso fui tentando aprender por conta própria. 

A principio eu fui agregando ao meu vocabulário palavras novas vendo series, filmes e clipes legendados. Foi muito bom isso, em um tempo que internet não era tão acessível. 

E ultimamente estou ainda mais empenhada, devido a facilidade da internet e ao Youtube com seus diversos canais, ou seja, você não precisa ser rico para aprender uma nova língua , apenas interessado.

Como eu conseguia ler alguma coisa em inglês eu achava que estava mandando bem, mas junto com meu marido que tinha um nível da língua mais básico percebi que tropeçava na pronuncia. 

Eu curto muito ver canais com "professores" gringos, coloquei em aspas, pois passam de uma forma tão natural que você aprende sem sentir , como deve ser. 

O que percebi que o dialogo em inglês é importante,mesmo que não saiamos do Brasil, colocar o inglês no dia-a-dia, quando possível , também ajuda a exercitar e fixar. 

Vou colocar aqui todos os canais que acesso para aprender inglês:

Ask Jackie
Amigo Gringo
Tim Explica 
Carina Fragozo (Única brasileira que sigo.rs )

  Espero que tenha ajudado de alguma forma e se vocês tem alguma dica para acrescentar , por favor, coloca aqui nos comentários ,ainda estou em fase de aprendizagem. :)

Abreviação de : Thank God it´s Friday (Graças a Deus é sexta-feira.)



Até logo!!!


20 de out de 2017

O que você precisa saber antes de ser mãe

Olá pessoal !!!

Voltei! Hoje vou dividir com vocês um pouco da minha experiência com a maternidade, ou seja, minha intenção aqui não é cagar regras na vida de vocês, só passar um pouco do que vivi e o que me pegou de surpresa.

Sou defensora que ninguém é obrigado a ter filhos, é uma responsabilidade muito grande para ser imposto.Mas é só ter um casal recém-casados ou com muito tempo de namoro e lá vem a pergunta :"E os filhos?" ou quando encontram uma mulher na faixa dos trinta e solteira : "Você tem que encontrar alguém! Ter família , filhos!" (Homens não sofrem isso,pelo menos nunca vi.) Porem se o casal ou a mulher diz que não quer ter filhos...




 Quem já viu algumas postagens antigas minhas sabem que eu desejei muito ser mãe. Fiquei ansiosa, na expectativa, fazendo planos e etc. Mas nem sempre foi assim, quando mais nova eu não deseja ser mãe e uma vez declarei isso em voz alta, explicando que eu achava o mundo louco e cheio de maldade para trazer uma criança para ele, fora que eu não me via preparada , e com isso ouvi que eu estava sendo EGOÍSTA !



Como assim Bial ?! Eu não querer trazer uma criança para um mundo mau é egoísmo?  Vocês devem perguntar : "Ué mulher!O mundo continua mal e você estava despreparada" Eu sei, eu sei,mas eu quis, eu avaliei, eu desejei, eu me preparei ,o preparo nunca é suficiente,mas tentei. E para mim foi a melhor escolha da minha vida. Sendo que sempre que alguém me vê louca em alguma situação enrolada com minha filha e me pergunta :" Da trabalho, mas vale a pena , né?" Eu paro penso e rio nervosamente, se você quiser muito vale a pena sim. 

A maternidade requer muito da mulher, falo maternidade, pois dificilmente um homem aparece no meu blog. kkkkkk e por que nem sempre os homens são participativos, ajudar não é o suficiente,pegar no colo para a mulher tomar banho e depois se vira ai  não é o suficiente. Já dizia o comercial do Gelol a milhões de anos atrás, não basta ser pai tem que participar. As coisas estão mudando,porem ainda há muito caminho pela frente.Fora que a coisa já começa na gravidez e ai o pai não tem muito o que fazer. É enjoo, gazes (o.O), dores nas costas, inchaço nas pernas, e isso se tratando de uma gravidez razoavelmente tranquila. Conheci mulheres que não sentiram nada e outras que passaram os 9 meses de cama. 

Os primeiros meses com o bebê são tensos e estou falando dos primeiros 24 meses. Lógico!Vai amenizando gradativamente, mas não deixa de ser cansativo. O primeiro dia com minha filha eu não dormi, ganhei ela as 23:40h e fiquei acordada a noite toda, pois não me preparei adequadamente para amamentação, foi sofrido, foi doloroso, sentia uma dor do peito que seguia na direção do ombro e respondia nas costas. O problema é que não estava tendo a pega (lê-se pêga) correta. E ai vem a decisão consciente e o desejo forte de ser mãe, eu também deseja muito amamentar e foi o que me fez continuar. Eu consegui entender o  motivo de algumas mães não conseguirem ou desistirem, pois é difícil mesmo, não é algo natural e instintivo, tem que ter muita ajuda e preparação. Para ter a pega correta, para não machucar seu peito, para não empedrar. É punk. 

Os primeiros 3 meses ,aproximadamente, tem as cólicas, uma dor que o bebê sente e você sente junto,pois é difícil lidar com ela, não há luftal que dê jeito, o bichinho se contorce e você se desespera, ai entrou novamente meu despreparo, há técnicas como chantala e colocar o bebê em contato direto com nosso corpo que alivia. (Se alguém souber alguma dica põe nos comentários,pois até hoje não tenho muita noção do que fazer.)

Até um ano, um ano e meio, a criança exige muito de nós, não tem como você deixar sozinho, quem amamenta tem que ficar atento com os remédios que toma, o bebê precisa da nossa atenção constante.

Quando minha filha fez um ano e as coisas começaram a melhorar eu estava lendo uma postagem em um blog materno onde uma mãe relatava os primeiros meses com seu filho, e percebi que eu havia esquecido de todo o sufoco que passei, eu só lembrava das coisa boas e achei bem louco isso. Acredito que a romantização da maternidade não seja nem algo intencional, mas quando alguém pergunta para você sobre ela, você foca em seu filho, seu amor eterno, e não consegue lembrar dos perrengues. 

Por exemplo, quando eu comia com a mão esquerda , sendo destra, enquanto segurava o bebê,pois ela não queria ficar no colo do pai. 

Fazer uma rede de apoio é muito importante também, um dos meus maiores erros, foi querer ser a super mãe, querer fazer tudo sozinha, meu marido cuidou da casa durante o resguardo, mas logo ele teve que ficar em outra cidade para trabalhar.Ah!Tem isso também, o financeiro fica bem abalado com a chegada do bebê e olha que nem crio a Malu com luxo. Fiquei louca sozinha com a criança, como ninguém se ofereceu ajuda , também não pedi.Aceite toda ajuda possível, não somos super heróis.

Hoje minha filha tem 2 anos ,não mama mais, já dorme na caminha dela, no nosso quarto,pois só tem um na casa. Fica um bom tempo  sem nos solicitar, permitindo que resolvamos nossas coisas, mas faz birra quando contrariada, chora, esbraveja e isso não quer dizer que não tenha educação, quer dizer que é um ser humano, vejo muitas pessoas querendo comparar a criança com um cachorro, como se pudesse ser adestrado. O mais incrível é que conseguem justificar alguns atos ridículos dos adultos, que tem uma bagagem de vida, colocando a culpa no sistema, na sociedade ou no signo, mas crucificam uma criança que não tem a mesma bagagem ou os pais que são os que sofrem diretamente,pois tem que lidar com a situação. Há sim crianças mal educadas, mas não vamos generalizar. 

Para finalizar , vou recomendar dois canais sobre maternidade, que serve para quem é mãe, para quem quer ser mãe, para quem não pensa em ser mãe,mas gostaria de entender sobre esse mundo. 
São eles o Hel Mother e o Potencial Gestante, o segundo também tem um blog maravilhoso. 

Espero que tenham gostado desse tipo de postagem, como já disse algumas vezes, não tenho vocação para blog materno, mas esse tipo de postagem acredito que sirva para todos. Deixem seu comentário,adoro dividir experiência para evoluir. 



Até logo!!! ^^




Lingua Feminina © 2014. Todos os direitos reservados.
Layout criado por: Thami Sgalbiero.
Tecnologia do Blogger.